Passeio leve de domingo

Não sei se foi Pedal Clube. Foi que nos juntamos cinco ciclistas no local de saída do Pedal Clube, Paulo, Baga, Jorge, Zeca, Berna e a companhia luxuosa de Jacques. Este, entretanto, tinha compromisso e só nos seguiu até o Marco Zero. De lá, pegamos os caminhos para as bandas de Olinda. Encontramos um belo arco-íris na praia dos Milagres e seguimos até Rio Doce. Voltamos cortando por dentro de Rio Doce e Casa Caiada, Bultrins, e entramos pelo Bonsucesso, Amparo e Varadouro. Então, entramos para Campo Grande e Canal do Arruda, até que deixamos Berna em casa, e fomos para o caldinho do Marurão. Após breve confra, retornamos para a Jaqueira e fim do passeio com quarenta e poucos km.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Advertisements

Igreja do Monte e Morro do Peludo, Olinda

Sem título

Passeio do Pedal Clube de Pernambuco no domingo, 26. Guiados pelo infindável Presidente Odilon, saímos da Jaqueira às sete, seguimos por Torre e Caxangá, BR-101, Casa Amarela e Alto do Mandu, Campo Grande e, então, direto para Olinda. O Presidente tinha em vista dois pequenos morros. Entramos no Sítio Histórico pelo Carmo e fizemos uma breve parada no João do Coco, ali na Praça da Preguiça. Na rua de paralelepípedos, passavam corredores que participavam de uma corrida na cidade alta. Entre eles, o irmão de Marcos Pedro, que se chama Marcelino Pedro. Dessa forma, descobrimos que os doze irmãos de Marcos Pedro têm Pedro como segundo nome, João Pedro, José Pedro, Pedro Pedro e assim por diante.

Seguimos pela Prudente de Morais e Amparo, lugares muito frequentados pelo Presidente Odilon na infância, quando jogava bola de gude com Maurício de Nassau, Duarte Coelho, Mem de Sá, Filipe Camarão e Matias de Albuquerque.

Subimos para a Igreja de Nossa Senhora do Monte, a missa estava terminando, a lojinha abriu e o Presidente aproveitou para comprar uma garrafinha de licor de morango. Descemos do Monte por uma via que foi asfaltada e desemboca na Estrada dos Bultrins. Entramos no bairro de Ouro Preto, cujo traçado foi desenhado por Odilon juntamente com Duarte Coelho, e subimos para o Morro do Peludo. Antigamente, no tempo de Odilon, aquilo era um terreno abandonado. Hoje, lá em cima, há uma capelinha e estava acontecendo uma missa campal.

Descemos o Morro e fizemos a rota por trás do quartel do 7º Regimento Olinda, desembocando na Vila da Cohab. Seguimos pelo Complexo de Salgadinho até o centro do Recife, e fizemos uma parada celebratória e de abastecimento em uma loja da Manoel Borba. Seguimos até a Vila André na Rua do Riachuelo, fizemos o contorno da vila, passamos pelo Cemitério de Santo Amaro para gritar o “pula-Lula” e enfim, encerramos o passeio na Jaqueira com 64 km rodados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pedal Clube

Pedal Clube de domingo

Sem título

Domingo 29, um belo e divertido passeio do Pedal Clube. Guiados por Odilon, um pequeno grupo desafiou a preguiça do dia nublado. Odilon conseguiu desviar de todas as nuvens de chuva e fez um passeio de 53 km bastante diversificado. Saímos da Jaqueira, Odilon, Paulo, Katelma, Feijó, Monsieur Le Pingucê, Ed e Adriana.

De primeiro, Odilon fez um rói-rói para buscar Lunga-Ruy, depois outro rói-rói para desviar de uns engarrafamentos por conta de concurso que ocorria em diversos colégios, inclusive passando pela famosa Rua do Padre Inglês. Seguimos para Olinda, com uma parada para água de coco e salada de frutas no Quartel de Bairro Novo.

Depois entramos para uma grande volta em Rio Doce, até que deu uma sede danada em Odilon, mas ele só queria água amarela de cevada e lúpulo. Então fizemos uma parada em um posto de gasolina de Rio Doce, no qual o presidente pode matar a sua sede, com a ajuda de alguns ciclistas, boa conversa e o atendimento de Ana Paula.

Seguimos e pensamos entrar no Fragoso, mas o mestre preferiu Olinda e subir a Sé. Passamos perto da rua onde Odilon morou há muitos anos, no Sítio Histórico. Ele contou que na época, onde hoje é a Igreja de São Pedro, era um campinho de futebol, onde Odilon jogava bola. O time dele contra o time de Maurício (de Nassau).

Subimos a Sé e a sede de Odilon voltou, donde paramos na Tapioca da Vovó. Novos goles de água amarela com tapioca e conversa divertida.

Descemos a Sé e Odilon nos levou por Campo Grande. Logo, o presidente pediu autorização de todos para não encerrar o pedal no Parque da Jaqueira, e sim no posto de gasolina do Rosarinho. Abatidos pela enorme sede, degustamos mais algumas long neck de água de lúpulo. Odilon disse que foi um passeio como os de antigamente!

Despediram-se todos, mas Ruy Lunga inventou de comer o chambaril do Tonhão. Chamamos Bagaceira, Fauzia, Águia e Silvinha do Maré – e dessa forma, o passeio terminou lá pelas 18h, quando deixamos o recinto Tonhesco.

Olinda, Igarassu, Cueiras com o Maré

Sem título

Eu e Bagaceira fizemos um passeio de 96 km com Maré Bikers. Saímos da Jaqueira, fomos para Olinda, subimos a Sé, seguimos para o Janga e Maria Farinha, seguimos pela PE-22, depois sentido Igarassu. Paramos na banca de frutas. A seguir, entramos para Nova Cruz, saímos do asfalto e pegamos a trilha de Cueiras. Parada breve no bar da fritada, sem fritada, somente cerveja, refrigerantes e água. Continuamos pela trilha, retornamos ao asfalto, chegamos à Nova Cruz e atravessamos de barquinho. Retornamos pelo Janga. Em Rio Doce, eu e Baga nos separamos do grupo, pois eles seguiram pela beira-mar com vento contra, e nós fomos pelas ruas mais internas, onde o vento era menos intenso. Paramos para almoçar no Carmo, depois seguimos para Recife por dentro de Campo Grande. Ainda paramos para um café expresso com cheesecake.

Pedal Bagaceira – Olinda

trip-7987858-map-full

No domingo 28, Bagaceira e eu saímos para um pedal leve. Seguimos na direção de Olinda e, quando passamos pelo Varadouro, entramos para visitar a rua da Boa Hora, pois uma amiga, Rosa, havia nos mostrado um belo grafite daquela rua. Encontramos o grafite, fotografamos, mas não falamos com Rosa, pois a casa dela estava toda fechada. Deviam estar dormindo. Continuamos o passeio e seguimos pela ciclovia da beira-mar de Olinda até o final. Voltamos pelas ruas internas dos bairros de Rio Doce, Jardim Atlântico e Casa Caiada. Passamos na casa de amigos, Fernando e Aglaê, para visitá-los, mas ninguém atendeu a campainha. Voltamos para Recife e paramos no Bar do Tonhão para almoçar. Saindo do bar, encontramos com o Comendador Hodsons e Rejane. Depois, casa. Pedalamos 36 km.

DSC_0274

Grafite – não se casariam

DSC_0272

Grafite ao lado da Igreja da Boa Hora

Pedal Clube de domingo

24/01/2016 domingo.

Com o Pedal Clube de Pernambuco, e com o Presidente Odilon guiando, fizemos um passeio de 58 km, indo para Olinda, subindo algumas ladeiras do Sítio Histórico, visitando o Mosteiro de São Bento. Depois, seguimos para Boa Viagem, passamos pela pista Oeste da Havia Mangue, retornamos pela ciclovia da pista Leste e encerramos no Parque da Jaqueira.

 

trip-7652441-map-full

Trajeto

DSC_0247

Mosteiro de São Bento – Olinda

DSC_0252

Havia Mangue – Recife