Zona da Mata Norte

Passeio de três dias pela Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco. Reunimos um grupo de nove ciclistas, Paulo, Bagaceira, João, Renilson, Ruy, Edson, Lucielene, Carol e Águia, e combinamos o passeio.

Na sexta-feira, 17, saímos às duas e meia da tarde do bairro da Tamarineira, Recife, já com atraso, pois o pneu de Edson furou logo na saída. Seguimos por Casa Amarela, Casa Forte, Dois Irmãos e, no cruzamento da Caxangá, Ruy se juntou ao grupo. Para evitar o tráfego pesado de sexta em Camaragibe e São Lourenço, seguimos por dentro de Brennand. Na subida da trilha, pneu de Edson furou novamente. Consertamos e seguimos. Parada no posto de gasolina da Arena. Depois, BR-408 direto. Parada em um posto de gasolina antes de Paudalho para reabastecer e colocar faróis, pois começava a escurecer. Em Paudalho, o alforje de Renilson se partiu, nós não percebemos e ele ficou só para amarrar a bagagem. Quando percebemos e começamos a voltar, ele já vinha descendo com o problema resolvido. Seguimos sempre com os faróis e com o grupo junto para quem estava sem lâmpada usar a iluminação dos outros. Entramos em Carpina e chegamos às sete e vinte da noite ao Hotel Uno, com 59 km de pedal. É um hotel novo e muito bom. Guardamos as bicicletas na garagem, mas Edson insistiu na recepção e conseguiu levar a bicicleta para o quarto. Depois do banho, nos reunimos no restaurante Fogão à Lenha, na frente do hotel. Comemos, bebemos e contamos casos e piadas. Os últimos se recolheram por volta das onze e meia da noite.

No sábado, 18, Águia chegou cedo ao hotel e se juntou ao grupo. Depois do bom café da manhã do Uno, abastecemos de água e partimos, saindo de Carpina por uma estrada de paralelepípedos que logo se torna um estradão de terra. Uma paisagem bonita e estrada suave, sem grandes subidas. Depois de muitos km, cruzamos a BR-408, continuamos por estrada de terra até entrar em Tracunháem. Abastecemos no centro da cidade, fotografamos as igrejas e olhamos as lojinhas de artesanato. Saímos de Tracunháem por estrada de terra e seguimos até Nazaré da Mata. Entramos na cidade, abastecemos, fotografamos as igrejas, consertamos mais um pneu furado de Edson e seguimos, por estrada de terra até a rodovia asfaltada que leva a Buenos Aires. Encontramos um grupo de ciclistas de Carpina, o Carcará, eles nos indicaram um bar para comer na rodovia mais adiante. Paramos lá e comemos o PF. Voltamos para a rodovia e entramos em Buenos Aires. Carol, que estava cansada, ficou em um posto de gasolina na entrada da cidade para tentar um transporte para Vicência. Nós abastecemos em um mercadinho de Buenos Aires e seguimos por estrada de terra para Vicência. Pouco antes de chegar na cidade, visitamos o Engenho Água Doce, que produz a cachaça de mesmo nome. Visitamos a lojinha do engenho, degustamos cachaças e licores e compramos alguns produtos. Seguimos para o centro da cidade e nos hospedamos no Hotel Vicência, fraquíssimo de qualidade, mas é o único por ali. Pedalamos 52 km nesse dia, quase tudo por terra. Depois do banho, comemos e bebemos no restaurante do hotel, também muito fraco. A região é bonita mas a cidade de Vicência é extremamente desorganizada, barulhenta e suja. De todo modo, depois de passar um tempo no restaurante, nos recolhemos e, com o ar-condicionado, quase todos dormiram bem.

No domingo, 19, o café da manhã do Hotel Vicência foi péssimo, poucas opções de comida e mal-feitas. Comemos de qualquer forma e saímos rapidinho do hotel. Abastecemos de água no posto de gasolina e seguimos para Recife, tudo por asfalto. Fizemos paradas frequentes em postos de gasolina e na Acerolândia. Tivemos o pneu furado de Ruy e trocamos a câmara. Chegamos em Recife por volta das três da tarde, com 86 km de pedal.

Um excelente passeio, com um grupo de pessoas amáveis, divertidas e dispostas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Advertisements

2 thoughts on “Zona da Mata Norte

  1. Painho,
    Vou lhe dar um pau de selfie.
    Tu não sai em nenhuma foto.
    Oxe!
    Edson precisa resolver esse pneu. Que tanto furo. Armaria!
    Esse hotel em Vicência um cocô de louro.
    Bagaça é a mais linda de todas ❤

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s