Minas Gerais: de Lagoa Dourada até Tiradentes (46 km)

Bom, durante o café da manhã na Pousada das Vertentes, Dona Aydée me contou a história do casarão. Ela acredita que o imóvel tenha mais de duzentos anos. Algumas paredes têm mais de um metro de largura e, durante uma reforma, viu-se que a base é de pedra e as paredes são de taipa de pilão.

Dona Aydée nasceu nesse casarão. Ele pertencia à Igreja e, antes dela nascer, o padre queria demolir o casarão. O pai de Dona Aydée ficou revoltado com o padre pois, já naquela época, a cidade tinha perdido várias edificações antigas. O pai dela era fazendeiro e decidiu comprar o casarão para evitar a demolição. O negócio foi acertado e resolvido em Mariana, pois Lagoa Dourada fazia parte daquela diocese, na época, e a família passou a morar no casarão.

Curiosamente, os pais de D. Aydée se chamavam Altino e Antonieta e, portanto, os seis filhos tiveram nomes começados com a letra A. O nome dela, na origem francesa tem H, mas os pais tiraram essa letra para que começasse com A. Dona Aydée me fez lembrar da mãe de Baga, frágil, pequena, e ainda cuidando daquele enorme casarão e do marido que, recentemente, teve um avc.

Saí da pousada, dei mais uma volta por Lagoa Dourada e peguei a rodovia asfaltada. Segui pela rodovia por cerca de 11 km, quando entrei em estrada de terra na direção de Prados. Em determinado momento do sobe e desce, comecei a ver a Serra de São José, no horizonte.

Passei pela cidade de Prados lentamente, apreciando as casas e igrejas, mas sem parar. Prados tem inúmeras lojas de artesanato que, inclusive, fornecem para o famoso povoado de Bichinho. A estrada que sai de Prados é calçada, mas se torna de terra na bifurcação para o Bichinho. Pela terra e com tobogã, cheguei ao Bichinho.

O Bichinho é um pequeno povoado, quase que de uma única rua, que se tornou famoso e procurado pelo artesanato. Atualmente, quase todas as casas se tornaram lojas de artesanato. O arruado ficou bonitinho, mas um pouco artificial.

Lá no Bichinho, parei no primeiro self-service-sem-balança que encontrei e, sem querer, era o mais famoso, o Tempero da Ângela. Havia outros e até pensei em sair, mas fui ficando. Como cheguei cedo, pouco antes de meio-dia, havia bastante gente, mas muitas mesas livres. A comida é boa, comi bastante, mas é o mesmo tipo de comida de qualquer self. Entretanto, se eu tivesse chegado mais tarde, não almoçaria ali, pois, no momento em que saí, havia fila de espera para entrar. Eles possuem um salão anexo onde as pessoas que tiveram seus nomes anotados ficam esperando, sentadas e na sombra. Dá pra mim não. E logo adiante, há outros self-service e restaurantes.

A estrada que liga o Bichinho a Tiradentes é terrível para bicicletas, pois calçada com pedras desarrumadas. É um bate-bate tremendo, pior que costela de vaca. Com isso, pouco antes de entrar em Tiradentes, arrebentaram os arames que prendiam um dos lados do bagageiro. Bom, tive que parar, cortar pedaços de arame e refazer a amarração. Recordo que meu bagageiro teve os parafusos quebrados na travessia da Serra do Cipó e, desde lá, fiz essa amarração com arame.

Chegando em Tiradentes, eu vinha sem certeza de encontrar pouso, pois a cidade é bela e famosa. Ainda na estrada, em uma loja de artesanato, vi um casal comentando que “tá tudo lotado, pois tá tendo um festival”. Vixe, pensei.

Entrei na cidade e, antes do centro histórico, em uma rua transversal e cheia de pousadinhas, vi uma plaquinha pequena e simpática, Hospedaria de Maria. Perguntei se havia quarto, havia, e o valor era o padrão ER. A dona, que se chama, Fátima, me mostrou os quartos, muito agradáveis e organizados. Fiquei.

De fato, estava acontecendo um Festival Gastronômico e, depois do banho, dei uma voltinha pela cidade e assisti uma apresentação de chorinho que ocorria na praça principal. Tiradentes, além da beleza própria, tem um monte de restaurantes e cervejarias. Parei em um botequinho bem pequeno, com uma geladeira abastecida de cervejas artesanais da região e experimentei uma delas.

Por fim, não vou me estender sobre Tiradentes, sua fama e beleza falam por si e minhas fotos estão aquém do valor da cidade. Quem não a conhece, vá até lá, vale a pena. É tudo por hoje.

0Sem título
Percurso
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pousada das Vertentes – Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pousada das Vertentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pousada das Vertentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pousada das Vertentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Pousada das Vertentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Serra de São José
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Serra deSão José
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Serra de São José
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Lagoa Dourada – Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Bichinho
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Tiradentes
Advertisements

4 thoughts on “Minas Gerais: de Lagoa Dourada até Tiradentes (46 km)

  1. Nossa é muita coisa pra comentar.

    Mas finalmente, o bichinho é de que tipo? Passarinho, peixe, lontra, jaguatirica, cachorro, gato?

    Parou pra descansar ou tava segurando a placa pra não cair?

    E aquelas casas tronxas? Que doido.

    Adorei a bicicleta lilás, florida.
    E aquela no Ateliê. 🙂

    E aquela casinha cheia de coisas de barro na frente.

    E ajeitou o arame? E guenta? 😂

    Liked by 1 person

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s