22º dia: Icaraí de Amontada – Itarema (CE) (41 km)

Dia que teve trechos muito, muito difíceis.

Após o ótimo café da manhã de Dona Ivone, saímos da pousada pedalando pela praia de Icaraí de Amontada. A maré estava baixando e já permitia pedalar. Entretanto, alguns quilômetros à frente, um trecho de pedras que só permitia a passagem por cima, pela areia fofa. Depois desse trecho, pedal suave na areia dura, novamente.

Quando chegamos na localidade de Moitas, encontramos uma grande tartaruga morta na praia, e parecia ter sido recente a morte, pois a tartaruga ainda estava inteira e sem mau cheiro.

Após Moitas, entramos pela estradinha do mangue que leva até o barco que faz a travessia do Rio Aracati Assu. Pedi ao rapaz do barco que nos levasse até a praia, é mais longe, pois do outro lado do rio é uma imensa área de mangues. Ele se recusou, disse que o barco não tinha um motor forte. Não encontramos outro barco por ali. Não gostei de ter que atravessar para o mangue, mas foi o jeito.

Descemos no mangue e seguimos empurrando. Há uma trilha marcada, tanto no gps, quanto por dentro do mangue, pois foram colocadas fitas vermelhas nas árvores para que a gente saiba o caminho. É um mangue imenso com poucas partes secas. Nós empurramos dentro da região alagada, cheia de chiés e siris na água clara.

Apesar da trilha ser marcada, a gente tinha que desviar em alguns trechos para procurar partes mais rasas. Em alguns trechos, a passagem de veículos 4×4 havia tornado o lugar um pouco mais fundo e mole, o pé afundava na lama. Seguimos com dificuldade por 2 km de alagados, até que a trilha subia para uma parte seca.

Então, piorou. A trilha seca era de areia fofíssima, areia de duna, no meio da vegetação. Sofremos empurrando as bicicletas por mais 2 km. Enfim, encontramos três pescadores que vinham pela trilha e que nos disseram que a areia fofa acabava logo na frente.

Era um povoado bem pequeno e a trilha se tornou estrada de barro duro. No fim do povoado, na bifurcação da estrada, um bar bem humilde, crianças na frente, paramos e tomamos duas cervejas em lata geladinhas, uma delícia naquela situação. Conversamos com algumas pessoas no bar sobre a passagem do mangue e a nossa viagem.

Na bifurcação havia decisão a tomar: à esquerda, estrada de barro até a balsa da travessia do Rio Aratimirim e, à direita, a estrada ia até a praia, e pela praia até a vila de Torrões e procurar um barco para a travessia. Escolhemos a praia.

Seguimos pelo barro e vimos o mar, mas ainda estava distante, havia que atravessar mais um braço de mangue, amplo e aberto, sem problemas. Enfim, chegamos à areia dura da praia e pedalamos direto até o Rio Aratimirim. Na frente da vila de Torrões, havia alguns barcos, mas não havia ninguém. Uma moça gritou de lá do outro lado do rio que, se quisesse atravessar, eu deveria ir chamar um pescador nas casas por trás de mim. Fui até lá, bati palmas e chamei, veio Seu Antonio que, gentilmente, nos levou para a vila de Torrões.

Saímos de Torrões e pedalamos por asfalto até Almofala. A cidade tem uma bela igrejinha da Conceição. Paramos para comprar água em uma mercearia e perguntamos onde a gente poderia almoçar. O rapaz disse que lá mesmo, pois na parte de trás da mercearia, que dava em outra rua, eles tinham um restaurante. Os pratos eram PF, a comida era caseira, bem feita e temperada, e tudo estava perfeito, inclusive as cervejas geladinhas. Teve até sobremesa de doce de coco, delícia, e tudo bem baratinho.

Depois do almoço, um sol para cada um, calor de rachar, pedalamos ronceiramente até Itarema. Se o dia não tivesse sido tão pesado, a gente pensava passar de Itarema, mas o melhor foi ficar logo ali. Procuramos uma pousadinha, tinha até piscina, lavamos as bicicletas, limpamos os alforjes, tomamos banho de piscina.

O dia foi bem difícil, mas muito divertido e diferente. Eu até disse à Baga que faria de novo o trajeto pelo mangue e pela areia fofa. Muito diferente de tudo o que fizemos até aqui. Esse foi, também, o dia em que as bicicletas mais sofreram.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s